"Um amor infinito", o novo CD dos Madredeus

O novo CD dos Madredeus, "Um amor infinito", que o grupo qualifica de um
reencontro com Lisboa, onde o grupo começou há 17 anos, chegou segunda-feira
às discotecas.
O disco é gravado em Lisboa o que não acontecia desde 1990, com o álbum
"Existir".
A cidade surge em algumas composições do disco, designadamente, "Moro em
Lisboa", "Cantador da noite" ou "Suave tristeza".
Neste disco acentua-se a sonoridade acústica do grupo fortemente baseada na
voz de Teresa Salgueiro. Pedro Ayres Magalhães é o compositor absoluto,
assinando a letra e música de oito das doze canções e ainda um tema
instrumental, "O olival".
Este tema é uma referência aos Templários, conforme explicou o seu autor ao
jornal Blitz.

Excepções são "Cantador da noite" com letra de Ayres Magalhães e música de
José Peixoto, "Os males do mundo", com letra também de Ayres de Magalhães
mas música de Fernando Júdice e dois temas assinados por Carlos Maria
Trindade, "Suave tristeza" e "Uma estátua".

 


Voltar à primeira página desta secção

Voltar à primeira página desta edição

Copyright © 1997/2001 The Portuguese Times
Autorizada a reprodução de artigos publicados nesta página desde que mencionada a origem