Portuguese Times Eurico Mendes - EXPRESSAMENDES

 

Caça ao imigrante
   
Há 30 anos, os brasileiros nos EUA eram talvez 70 mil. Manhattan tinha um
único restaurante brasileiro, Cabana Carioca, Rua 45 e por sinal propriedade
de português. Contratado pelo Cosmos para promover  o soccer, Pelé sorria
num enorme lençol pendurado do alto do arranha-céus da Warner no Rockefeller
Center e os bares gay da Christopher Street já estavam cheios de travestis
brasileiros que tinham a sua noite de glória no baile de Carnaval do Jota
Alves no Waldorf Astoria. Ainda assim, os brasileiros passavam
despercebidos.
A existência de comunidades portuguesas em New Jersey, Massachusetts e Rhode
Island começou a atrair brasileiros, muitos casados com portuguesas e esses
pequenos núcleos estimularam a chegada de familiares e amigos em busca de
trabalho.
Eram sobretudo de Governador Valadares, Minas Gerais e existe explicação:
durante a II Guerra Mundial havia muitos americanos na região, que era a
maior exportadora de mica, um isolante natural para a indústria electrónica.
Muitos mineiros vieram nessa altura para os EUA e o sonho do sucesso
americano difundiu-se na região.
Em meia dúzia de anos, 33.000 valadorenses, 15% da população da cidade,
vieram para os EUA. O dinheiro que mandam para a terra natal dinamiza a
economia local e é conhecido por "valadólares".
Valadares tornou-se tão conhecida que hoje é mais fácil um camelo passar
pelo buraco de uma agulha do que um valadorense obter visto de turista para
os EUA.
Para não terem o passaporte carimbado pela Polícia Federal de Governador
Valadares, os valadorenses pagam 114 reais para enviar pelo Correio e
requerem o passaporte em Brasília.
Mas visto de turista é cada vez mais difìcil de obter. O consulado dos EUA
no Rio de Janeiro emitiu 200.000 em 1999 e desde então reduziu a metade.
Ainda assim, especialistas calculam que a população brasileira nos EUA,
entre imigrantes com autorização e clandestinos, varie de 600 mil a um
milhão.
Em Massachusetts vivem 150 mil brasileiros, mas as dificuldades em conseguir
trabalho levam muitos a mudar para a Califórnia, Georgia e Flórida, onde se
concentram na área de Pompano Beach.
Na Nova Inglaterra formaram-se comunidades brasileiras em Hartford, Danbury
e Bridgeport, Conn., cerca de 30.000; Providence, R.I.; Nashua, N.H., cerca
de 5.000.
O aumento das comunidades brasileiras pode avaliar-se pelo número de Igrejas
Universais. Em New Bedford são duas e outras tantas em Fall River, onde
viviam 100 brasileiros há dois anos e hoje são cerca de 600.
Imigrar ilegalmente é um crime a que as autoridades americanas fecharam os
olhos durante muito tempo. O Tio Sam deixava os imigrantes à vontade com as
suas procissões e outras funções que o caldeirão do melting-pot acaba sempre
por caldear ao cabo de uma geração ou duas.
Do ponto de vista económico, os imigrantes ilegais são produtivos e
indispensáveis. Se todos fossem deportados, a economia do país entraria em
colapso. Daí muitos economistas sugerirem que a solução não é fechar, mas
abrir portas.
As coisas mudaram depois do 11 de Setembro e uma crescente preocupação do
governo é a possibilidade de terroristas da Al-Qaeda entrarem no país pela
fronteira com o México.
No ano passado, a U.S. Border Patrol prendeu nas fronteiras terrestres
1.158. 800 ilegais e 8.600 eram brasileiros. Para este ano, a previsão é que
serão presos 20 mil brasileiros, um recorde.
Segundo John Keeley, do Centro para Estudos de Imigração, por cada pessoa
detida ao tentar entrar, estima-se que três consigam entrar ilegalmente nos
EUA.
Apesar das dificuldades (além da prisão, expõem-se à morte), milhares de
brasileiros recorrem às quadrilhas dos passadores, os chamados coiotes, que
cobram até 10 mil dólares por cabeça e sem garantias. Se a polícia aparece,
os passadores piram-se e os imigrantes ficam entregues à sua sorte. O ano
passado morreram 221 na travessia.
Nunca foi fácil ser imigrante ilegal, mas agora é particularmente difícil.
Há duas semanas, agentes do Immigration and Customs Enforcement, o antigo
INS,  detiveram 57 brasileiros indocumentados, 54 homens e três mulheres que
trabalhavam para uma firma de limpezas, a Spectro Cleaning Services. A
maioria é de Minas Gerais. Trabalhavam nos serviços de limpeza para uma rede
de 28 supermercados de Hartford. Foram detidos de madrugada, enquanto
trabalhavam.
O proprietário da Spectro Cleaning Services, o brasileiro José Neto, 38
anos, de Allston, é acusado de contratar imigrantes ilegais e tentar
subornar um agente da imigração, a quem pagou 20 mil dólares para que ele e
sua mulher conseguissem documentos (green card) de residência permanente nos
EUA. Se for considerado culpado, pode apanhar até 20 anos de prisão.
Esta semana foram detidos mais 14 brasileiros ilegais, 12 homens e dois
adolescentes, que trabalhavam na limpeza do aeroporto de Boston por conta da
Hurley of America, companhia com escritórios em Stoneham.
A Hurley tem 140 empregados no aeroporto e descartou-se dizendo que todos os
brasileiros tinham apresentado cartões do Seguro Social e outros documentos
a provar que eram elegíveis para o emprego. Não explica contudo ter
contratado um indivíduo fugido à justiça, que aguardava deportação.
A questão é melindrosa pelo facto dos ilegais da Hurley terem acesso aos
aviões do aeroporto de Boston e, em vez de inocentes brasileiros que apenas
pretendem ganhar uns dólares, poderiam muito bem ser militantes islâmicos.
Há nesta altura 75 brasileiros num estabelecimento prisional de Boston, a
aguardar repatriamento. Muitos tinham acabado de chegar e o seu crime foi
tentarem viver um sonho americano, que infelizmente acabou em pesadelo.
Apesar destes precalços, os brasileiros vão continuar a chegar. Para o meu
vizinho brazuca, a culpa é dos americanos que não emitem vistos.
Como diz o meu vizinho: "Tá tudo legal. Só não tem cartão verde".

=============================

Não saíram aos seus, a filha do russo José Estaline e a neta do cubano Fidel
Castro, históricos comunistas cujas descendentes  optaram pela cidadania dos
EUA capitalistas. Em 24 de Dezembro de 2004, Alina Salgado, neta de Fidel,
naturalizou-se  entre outros seis mil imigrantes numa cerimónia realizada em
Miami. Svetlana Alliluyeva, que chegou a New York em Abril de 1967, depois
de ter pedido asilo político na embaixada dos EUA na Índia, casou em 1970
com o arquitecto William Peters e tornou-se americana, mudando o nome para
Lana Peters. Divorciou-se depois do nascimento da filha, Olga e reside hoje
em Londres. Já publicou dois livros, "Vinte cartas a um amigo" e "Apenas Um
Ano".

Houve tempos, durante a guerra colonial, que as emissões da BBC em português
eram escutadas diariamente por três milhões de portugueses. Hoje, embora o
famoso serviço mundial da estação pública britânica transmita em 43 línguas
diferentes para todo o globo - incluindo o português dirigido aos países
africanos - a emissão para Portugal acabou. Contudo, a língua de Camões
voltou o mês passado à emissora da BBC  que cobre o condado de Lincolnshire,
no Norte de Inglaterra, onde nos últimos anos se estabeleceram milhares de
portugueses que imigraram para o Reino Unido. Numa iniciativa totalmente
inédita, a emissora pública inglesa inaugurou um noticiário dominical  de
cinco minutos em português, sendo o primeiro serviço de noticiário em língua
estrangeira em território nacional.

O antigo congressista Gary Condit ainda não está completamente livre de
problemas por causa do seu relacionamento com Chandra Levy, a estagiária do
Congresso que desapareceu no verão de 2001. Condit já processou o jornal
National Enquire e recebeu o ano passado uma indemnização cujo montante não
foi divulgado. Agora está a processar o escritor Dominick Dunne, que diz ter
suspeitado de Condit desde que a jovem de 24 anos desapareceu. Chandra
deixou o seu apartamento em Washington e não voltou a ser vista. A polícia
apurou que ela tinha um romance com o congressista. Condit foi interrogado
quatro vezes, mas nunca esclareceu o seu relacionamento com a estagiária.
Nunca chegou a ser acusado da morte de Chandra, mas a sua carreira política
chegou ao fim. Não foi reeleito em Março de 2002 e o seu lugar no 18º
Distrito Congressional da Califórnia é hoje ocupado pelo luso-americano
Dennis Cardoza. Em Maio de 2002, o corpo de Chandra foi encontrado num
parque de Washington. A sua morte ainda não foi esclarecida. E Gary Condit
ainda não está livre de suspeitas. E foi agora intimado por um juiz a
responder sobre as suas relações com a jovem.

A polícia de Truro, no Cape Cod, quer proceder à recolha do DNA de todos os
homens residentes na área para tentar esclarecer o assassinato da jornalista
Christa Worthington, 46 anos, que há três anos apareceu esfaqueada na
cozinha da sua casa. A filha, de dois anos, estava junto ao corpo da mãe,
mas nada sofreu. Christa foi uma bem sucedida jornalista de modas em New
York, mas regressou a Truro com o propósito de escrever um livro. O livro
nunca saiu, mas ela teve vários romances e foi mãe.  Os amantes são
potencialmente suspeitos, Christa teve relações sexuais antes de ser
assassinada. A polícia quer amostras de saliva dos 800 homens residentes em
Truro e arredores e espera conseguir identificar o homem que esteve com
Christa antes de morrer.
 
===========================

Reticências...

O casamento é uma aliança entre duas pessoas: uma que nunca se lembra da
data dos aniversários e outra que nunca esquece...

O casamento são duas pessoas a tentar mudar os hábitos uma da outra...

Casamento é como comprar a crédito: vê-se uma coisa de que se gosta, fica-se
com ela e paga-se mais tarde...

Maridos são como fogo na lareira: apagam-se quando não são ateados...

Os homens lutam para conseguir um beijo antes de casarem e as mulheres
depois...

Umas mulheres casam-se porque não gostam de passar as noites sozinhas e
outras divorciam-se pela mesma razão...

O amor embriaga um homem e o casamento torna-o sóbrio...

O casamento é como a artrite, temos que aprender a viver com ela...

Muitos homens pensam que casaram com uma grande cozinheira e muitas mulheres
pensam que casaram com um grande milionário...

- Ferreira Moreno

===========================

A ANTIGA enfermeira Elaine Correia, 68 anos, de New Bedford, prepara-se para
correr a meia maratona de Kailua-Kona, Hawaii, em 18 de Junho, a fim de
angariar $4.000 para a American Heart Association. Será vencedora, mesmo
chegando no último lugar.

DESAPONTADO por não se ter classificado entre os 10 primeiros na meia
maratona de New Bedford, o Mendes decidiu voltar a cobrir a distância e,
mesmo correndo sózinho, chegou em segundo...

GEORGE W. Bush diz que a sua administração já criou 18 milhões de novos
empregos. É verdade. Mas foi na China, no México, na Tailândia e na Índia.

A CELEBRAR 45 anos de carreira, José Manuel Concha tenciona viajar em breve
para o Canadá e EUA e, entretanto, críticou os novos "cantores portugueses
de aviário", como lhes chamava Tony de Matos, que só cantam em inglês. Ainda
assim, Concha considera que "para ouvir cantar mal em português, é
preferível cantarem em inglês".

ALGUNS portugueses nos EUA são giros em relação à terra natal: quando entram
em greve, estão a defender os seus legítimos direitos laborais, mas, quando
vêem na televisão de Portugal imagens de compatriotas em greve, acusam-nos
de serem "uma cambada de comunistas calões".

AINDA a tempo de lembrar aquela do tipo que dava chocolate às galinhas a ver
se elas punham ovos da Páscoa.

DEU-SE aqui conta das "bandanas" com a bandeira portuguesa  que apareceram à
venda nas lojas Walgreen de New Bedford. Sugeriu-se erradamente que bandanas
seriam bandeiras, mas Edgar Rebelo, do departamento de publicidade do
Portuguese Channel, trouxe-nos uma série de bandanas. Na realidade são
lenços de lã que podem servir para agasalhar o pescoço, mas que as mulheres
usam também na cabeça. Em Portugal dão pelo nome de cachené, mas só no Euro
é que os chineses se lembraram de os vender com a bandeira nacional.


Voltar à primeira página desta edição

 Voltar à Primeira Página


Copyright © 1997/2001 The Portuguese Times
Autorizada a reprodução de artigos publicados nesta página desde que mencionada a origem