Portuguese Times Zé da Chica - Gazetilha



A moda...
Um dos cancros deste mundo!...


Dá a moda um certo tom,
Às vezes, não é assim!
Para além do que é bom,
Há muita coisa ruim!

Por vezes nos dispõe bem,
Traz um agrado geral,
Outras vezes ela vem
Somente nos fazer mal!

Do que a moda é capaz,
Que tudo muito bem fica.
Tudo qu’ é moda se faz,
É moda, ninguém critica.

A moda traz a tendência,
De escravizar as pessoas,
Porque ela tem influência
Nas coisas más e nas boas!

Nunca a moda algo poupa,
Tem influência na vida,
Enche a pessoa de roupa,
Ou então, deixa despida!

É a moda p’ra se usar,
Porqu’ ela serve afinal,
P’rá pessoa se inovar
N’ aceitação social!

E há que a moda cumprir,
O comércio assim o quer.
Mas, na moda de vestir,
Abrange mais a mulher.

Deus fez a mulher perfeita,
Encheu-lhe de amor a boca,
Mas ela insatisfeita
Toda ainda se retoca!

Mulheres, escravas da moda,
Formosas, de feição pura,
Besuntam a cara toda,
Tiram sua formosura!

De verão, por estas ruas,
É reparar as maneiras,
Andam p’raí quase nuas
A tremer com as traseiras.

Casar, ainda novinhos,
Os tempos estão mudados,
Basta juntar os trapinhos,
E pronto, estão casados!

Em pouco tempo passado,
Começa a mudar o cheiro,
Cada um para seu lado,
A trocarem de parceiro.

Como é moda, certamente,
Ninguém tem que censurar,
Trocam-se constantemente,
Sendo moda, há que mudar!

Quanto ao homem, está mudando,
Até tem a voz mais fina
E muitos, se transformando
De menino p’ra menina!

Muito homem, actualmente,
Nas calças que ele traz,
Em vez do fecho na frente,
Tem fecho-éclair  atrás!

E os homens  que vão mudando,
Aos outros homens se encostam,
Porqu’eles estão gostando,
Daquilo qu’as mulheres gostam!

Até já querem casar,
Com todos os empecilhos
Que dá para perguntar:
- Por onde nascem os filhos?!...

Recordo os tempos passados,
Nos tempos que já lá vão,
Com os seus carros puxados
Por cavalos, mas hoje não!

Hoje, o que mais predomina,
Que também está mudando,
São motores a gasolina,
Não há cavalos puxando!

Veio o carro, o avião,
Os navios a óleo bruto,
A rádio, a televisão,
E mais mil e um produto.

Agora há um fervor,
Todos  querendo comprar,
O célebre computador
E também o celular.

É ver por aí andando,
De celular no ouvido,
Tudo e todos fofocando,
Com o nariz lá metido!

A fofoca, hoje em dia,
Já ninguém pode parar.
Anda aí à reveria,
Através do celular.

P.S.
A moda, em certa altura,
Não me lembro bem a data!
Com a máquina de costura
Pôs a roupa mais barata.

Depois, a inovação,
Chegou o pronto a vestir,
Tudo pronto ali à mão,
Não tinham mãos a medir!

O que estamos a vestir,
Modas más ou modas boas,
De certo vai influir
No cérebro d’outras pessoas!

A moda, é como a hora,
Vai e volta em qualquer lado.
O que é a moda agora,
Já foi moda no passado!

A mulher, há que pensar,
Digo com maior respeito!
Gosta bem de variar
Na moda de qualquer jeito!

Na moda o homem é diferente,
Poucos na moda apostam.
Gostam de roupa decente.
Mas, variar, eles gostam!

Na minha idade eu aposto
Que já nem sei
do que gosto!...


      
      


Voltar à primeira página desta edição

 Voltar à Primeira Página


Copyright © 1997/2001 The Portuguese Times
Autorizada a reprodução de artigos publicados nesta página desde que mencionada a origem