Portuguese Times Eurico Mendes - EXPRESSAMENDES

 

James Franco, neto de pescador madeirense apresenta os Oscars

O Oscar já foi ganho por um português e cinco luso-descendentes
Realiza-se no próximo domingo, 27 de fevereiro, no Teatro Kodak, em Los
Angeles, a 83ª entrega do Oscar, o mais famoso prémio do cinema, que este
ano tem a particularidade de ser apresentada pelo ator James Franco, que é
neto de um pescador madeirense do Caniçal que imigrou para os EUA. O Oscar,
uma estatueta com 34 cm de altura, pesando 3,85kg e feita de estanho
folheado a ouro de 14 quilates, é atribuído anualmente desde 1929 e a
primeira vez que portugueses estiveram perto dele foi na nona edição, em
1937, quando o ator Spencer Tracy recebeu o primeiro dos seus dois Oscars
pelo seu trabalho na figura do Manuel, o heróico pescador madeirense do
filme Captains Courageous.
Em 1988, Jodie Foster também recebeu o Oscar de melhor atriz pelo filme The
Accused, inspirado num caso de má memória que envolveu portugueses, o Caso
Big Dan, a violação de Cheryl Araújo no bar Big Dan, de New Bedford, a 6 de
março de 1983. Jodie Foster fazia o papel de Cheryl, falecida em 1986 num
acidente de viação na Florida e que no filme passou a chamar-se Sarah
Tobias.
Dizia eu que, de 1929 a 2010, foram atribuídas 2.789 estatuetas, mas até
hoje apenas um português ouviu a frase sacramental: and the winner is....
Foi Carlos de Mattos, natural de Luanda e que veio aos 18 anos para Los
Angeles. Com três amigos, começou a construir difusores de luz para a
Universal Studios numa garagem e assim deram origem à Matthews Studio
Equipment, que viria a receber dois Oscars na categoria de contributo
técnico: pela grua Tulip Crane em 1983 e pela Cam Remote, câmara de controlo
remoto, em 1985. Recebeu ainda, em 1989, um Emmy, prémio da indústria de
televisão, pelo sistema Cam Remote.
Mattos presidiu à Matthews Studio Equipment até 1995, quando se desligou
para fundar Hollywood Rental Production Services and Olesen, que se tornaria
a maior empresa de aluguer de equipamento de filmagens, que venderia ao
grupo Raleigh Investments. Hoje, ligado ao filho mais velho, Marcos de
Mattos, possui a CDM Interactive, empresa de investimentos na indústria do
espetáculo, Gener8Xion, fornecedora de equipamentos para filmagens, a Venley
Star Pictures Team, produtora de cinema e televisão e há vários anos que vem
dinamizando um projeto de construção de um estúdio em Portugal.
Mattos é um dos cerca de 6.000 membros da Academia de Hollywood com direito
a voto, segundo regras estabelecidas em 1957: as nomeações são designadas
pelos membros de cada categoria, ou seja atores, realizadores,
argumentistas, diretores de fotografia, cenografistas, figurinistas e
sonoplastas votam na respetiva categoria, mas todos os membros votam na
escolha final e a votação é secreta.
Além de Mattos, há outro português habituado às andanças do Oscar, mas que
ainda não conseguiu ser premiado. Trata-se do diretor de fotografia Eduardo
Serra, nascido em 1943, em Lisboa, cidade que trocou por Paris em 1963.
Pertence ao AFC, sindicato francês de operadores de cinema, de que foi
presidente no biénio 1996-98 e em 2002 tornou-se também membro do
equivalente norte-americano, ASC, pois aumentam as solicitações de
Hollywood. Foi nomeado para o Oscar de melhor fotografia em 1977 (The Wings
of the Dove), 2003 (Girl with a Pearl Earring) e 2009 (Blood Diamond) e,
embora ainda não tenha ganho, ficou com o prestígio da nomeação, que também
contribui para aumentar uns zeros no cachet.
O valor real da estatueta é de $200, mas o valor simbólico é incomensurável
pelo prestígio que representa. Serra foi diretor de fotografia dos dois
últimos filmes da série Harry Potter and the Deadly Hallows (Harry Potter e
as Insígnias Mortais), cuja segunda parte estreará em julho próximo e a
primeira estreou em novembro passado e está nomeada para o Oscar, mas na
categoria de art direction. Não se sabe bem o que faz o diretor de arte, mas
é quem decidiu, por exemplo, o tipo de tanques usados no filme Saving
Private Ryan ou o cordame dos barcos utilizados em Pirates of the Caribbean.
A possibilidade de um ator português ser nomeado para Oscar é remota, pois
poucos participam em produções americanas. Joaquim  de Almeida é o único
ator português ativo em Hollywood, já com belo palmarés de 80 filmes e 14
séries de televisão, mas o seu trabalho ainda não interessou os membros da
Academia, embora já tenha sido premiado em 1999 no Egito, 2002 no Brasil e
2004 em Espanha.
A jovem Daniela Ruah, a Kevin Blye da série NCIS: Los Angeles, é uma atriz
portuguesa que faz carreira em Hollywood, mas ainda só interveio num filme
(Red Tails). A possibilidade de nomeação de portugueses seria a nomeação de
um filme português para o Oscar de melhor filme estrangeiro, mas ainda não
aconteceu. Portugal foi um dos 65 países que enviaram este ano os seus
filmes para a Academia. Desta vez concorreu com "Morrer como um Homem", de
João Pedro Rodrigues, um drama inspirado na história de Ruth Bryden (ou
Joaquim Centúrio de Almeida), famoso travesti das noites de Lisboa e do seu
companheiro Paulo Oliveira, sobre os quais escreveu um livro o cronista
social Carlos Castro, recentemente assassinado pelo companheiro num hotel de
New York.
O filme ganhou no Festival de Cinema Independente de Buenos Aires, mas não
passou no crivo dos realizadores membros da academia de Hollywood. Não temos
portanto portugueses candidatos ao Oscar, mas temos um luso-americano, o que
também raramente acontece e já agora lembre-se que já houve cinco
luso-descendentes premiados. A saber: o ator Tom Hanks, a atriz Mary Astor,
o realizador Sam Mendes e os irmãos Hall e William Pereira, que eram
diretores de arte. Um dos mais destacados atores e produtores da sua
geração, Tom Hanks recebeu o Oscar de melhor actor por Filadélfia (1993) e
Forrest Gump (1994). Nascido em 1956, em Concord, Califórnia, Hanks é de
ascendência lusa pelo lado materno. A mãe, Janet Marylyn Frager Hanks, é
filha de Elenia Rose e Clarence Frager. Elenia era filha de Manuel Rosa,
nascido em 1870 nos Açores e Nora Rosa, nascida na Califórnia em 1882.
Clarence Frager, era filho de Manuel Frager, nascido em 1872 e de Mary Enos,
nascida em 1880. Manuel Frager era filho de Francisco Gonçalves Fraga,
nascido em 1847 na ilha das Flores.
Um dos filmes de Hanks, Caminho de Perdição (2007), foi realizado por Sam
Mendes, vencedor do Oscar de melhor filme e melhor realizador com American
Beauty, em 1999 e também de origem portuguesa. O seu nome completo é Samuel
Alexander Mendes, nasceu em 1965, em Inglaterra e do lado paterno descende
de madeirenses presbiterianos expulsos da sua ilha e que se fixaram em
Trinidad e Tobago.
Mary Astor também descendente de madeirenses. Nasceu em 1906, em Quincy, no
Illinois, chamava-se na realidade Lucile Vasconcellos Langhank, era filha da
madeirense Helen Marie de Vasconcellos e obteve o Oscar de melhor atriz
secundária em 1941 pelo seu trabalho em The Great Lie.  Diz-se que Helen
Marie sonhava ser atriz e, não conseguindo, investiu na carreira da filha.
Mary Astor estreou-se no cinema em 1920, com 14 anos e aos 19 já ganhava
$2.500 por semana. Fez 109 filmes, foi casada quatro vezes e, em 1964, já
retirada do cinema, tornou-se escritora e publicou sete romances e uma
autobiografia, tendo falecido em 1987, com 81 anos, num lar de atores de
Hollywood.
Os Oscars dos irmãos Hall Pereira (1905-1983) e William Leonard Pereira
(1909-1985), foram de decoração e efeitos especiais, respetivamente.
Nasceram em Chicago, onde Hall era cenógrafo dos teatros da Paramount, pois
naquele tempo os estúdios de Hollywood possuiam também as salas de exibição.
William era arquiteto e assinou projetos como o aeroporto de Los Angeles, os
estúdios da CBS em Los Angeles e a famosa Transamerica Piramide em San
Francisco. Em 1942, a Paramount chamou Hall para Hollywood para
supervisionar a decoração dos cinemas da empresa e em 1950 foi nomeado chefe
do departamento de diretor de arte, passando a orientar toda a cenografia.
William, que se juntara ao irmão em Hollywood, trabalhou também como diretor
de arte enquanto não se afirmava como arquitecto e, embora a sua carreira
cinematográfica se tenha resumido a meia dúzia de filmes, ganhou o Oscar de
efeitos especiais pelo seu trabalho em Reap the Wild Wind (1942).
Hall Pereira, que chefiou 18 anos a direcção de arte da Paramount, trabalhou
em 250 filmes e foi nomeado 23 vezes para o Oscar, mas recebeu apenas uma
estatueta, em 1955, por The Rose Tattoo, filme baseado na peça homónima de
Tennessee Williams e que também valeu o Oscar de melhor atriz à italiana
Anna Magnani. Em 2011, conforme se disse, a 83ª edição dos Oscars, terá um
luso-descendente, James Franco, que, além de candidato à estatueta de ator
principal, será também apresentador da cerimónia juntamente com a atriz Anne
Hathaway. Franco, de 32 anos, está nomeado como protagonista de 127 Hours,
um filme forte (há quem desmaie e quem saia da sala para vomitar), mas
igualmente um filme muito bom.
³É um filme de ação só com uma pessoa², definiu o realizador, britânico
Danny Boyle, premiado com o Oscar de melhor filme em 2009 com Slumdog
Millionaire. O filme é baseado na história verdadeira de Aron Ralston,
engenheiro e montanhista de 36 anos que, em maio de 2003, ficou retido cinco
dias no Blue John Canyon, no Utah, quando um enorme pedregulho descaiu e
prendeu-lhe a mão direita numa rocha. Para escapar a uma morte anunciada,
Ralston decidiu amputar o membro com uma navalha sem ponta. O ator esteve
recentemente em Londres, uma vez que o seu filme foi escolhido para encerrar
o London Film Festival, e teve oportunidade de conversar com jornalistas
portugueses sobre as raízes portuguesas.
³Não cheguei a conhecer esse meu avô e acho que sou um mau descendente²,
admitiu James Franco. ³Tenho de ir um dia a Portugal e conhecer as minhas
raízes². O ator, que vive com uma colega, Ahna O'Reily, já foi nomeado três
vezes para o Globo de Ouro e ganhou uma vez, e admite que se ganhasse o
Oscar seria  ouro sobre azul, mas mesmo que não ganhe vai estar muito
ocupado em 2011: vai filmar a comédia Your Highness com Natalie Portman, que
está também nomeada para o Oscar de melhor atriz; rodará depois o filme Rise
of the Apes, da série Planeta dos Macacos; fará depois o terceiro filme como
realizador, baseado numa obra de William Faulkner; filmará ainda dois
episódios da soap opera General Hospital e, no final do ano, estreará na
Broadway ao lado de Nicole Kidman na peça Swett Bird of Youth, de Tenneessee
Williams. Além disto tem quatro filmes a estrear este ano: Howl, Date Night,
Eat Pray Love e Praise of Shadows.




Voltar à primeira página desta edição

 Voltar à Primeira Página


Copyright © 1997/2001 The Portuguese Times
Autorizada a reprodução de artigos publicados nesta página desde que mencionada a origem