Tragédia em Brockton, mulher mata dois filhos de 8 e 4 anos num ritual de magia negra

 

Dezenas de pessoas reuniram-se dia 7 de fevereiro em Brockton, Mass., numa vigília em memória de dois meninos de 5 e 8 anos mortos pela mãe num suposto ritual de magia negra. Os corpos das crianças foram en­con­trados dia 5 num apartamento em 245-247 Prospect Street.

O agente Richard Gaucher, da polícia de Brockton, chegou ao local  às 12:07 pm do dia 5, para averiguar uma situação médica desconhecida. Gaucher viu uma mu­lher, Latarsha Sanders, 43 anos, estendida numa maca e a ser atendida por paramédicos. Informado por um vizinho de que a mulher tinha filhos, Gaucher e o vizinho subiram ao apartamento do terceiro andar para que as crianças não ficassem sozinhas com a mãe no hospital. Num quarto, Gaucher encontrou uma criança morta na cama, coberta por um cobertor e com “vários cortes no rosto”, afirma o relatório. Outro polícia que entretanto chegou encontrou a outra vítima.

As crianças foram identificadas como Lason Brito, de 5 anos de idade, e Edson “Marlon” Brito, de 8 anos. Lason ainda não andava na escola, mas Edson era aluno do se­gundo grau da Louis F. Angelo Elementary School, cuja diretora, Márcia Andrade-Serpa, participou da vigília.

Os membros da comunidade concentraram-se na frente do apartamento com velas, orando e cantando músicas para os irmãos e sua família. Balões e ursos de pelúcia empilhados foram colocados em memória dos meninos. Alguns falaram na intenção de vigília organizar uma bolsa de estudos em homenagem às vítimas. A avó das crianças, Earline Sanders, falou na vigília, dizendo que a família precisa de orações neste momento difícil.

“Ninguém conhecia minha filha, a mulher que a gente vê nas fotos não era a minha filha”, disse Earline.

Latarsha Letrice Sanders, 43 anos, foi presente dia 6 de fevereiro no Tribunal Distrital de Brockton e acusada de homicídio. Declarou-se inocente, mas esfaqueou os seus dois filhos até à morte, embrulhou os corpos em lençóis, colocou-os nas suas camas e depois limpou o sangue. Os promotores acreditam que as crianças terão sido mortas dois dias antes dos corpos terem sido encontrados.

Inicialmente, Latarsha negou qualquer envolvimento na mortes dos filhos e deitou a culpa para outro filho de 18 anos e o pai dele. Mas segundo a promotora adjunta, a advogada Jessica Kenny, acabou por explicar que as mortes tinham sido parte de um ritual. Primeiro  esfaqueou Edson 50 vezes com uma faca de cozinha e depois expli­cou que, como da primeira vez o ritual saira errado e falhara, teve que matar o outro filho.

Membros da família disseram à polícia que Sanders estava obcecada há dois anos com as ideias, rituais e sacri­fícios dos Illuminati, a partir de vídeos que via no YouTube.

Os Illuminati começaram na Bavária, em 1776, quando um grupo de nobres se decidiu juntar numa sociedade para seguir os ideais “iluministas” (daí o nome da ordem) e que acreditam que sacrifícios de sangue precisam ser feitos periodicamente para o sucesso ser alcançado. Nos dias modernos, muitas teorias de conspiração propõem que grandes eventos mundiais sejam controlados pelo grupo.

A mulher disse à polícia que, depois de ter morto os filhos com uma faca de cozinha (que foi encontrada) deixou os corpos numa pia e esfregou o sangue no chão. Finalmente, lavou as crianças e colocou-as em camas separadas.

O procurador de justiça do condado de Plymouth, Timothy Cruz, disse que as crianças podem ter sido mortas 48 horas antes dos corpos serem descobertos, mas a data ainda não está determinada. As crianças foram vistas pela última vez no dia 03 de fevereiro, sábado, quando a mãe as levou a casa da avó em Randolph e disse que tinha de os levar ao hospital porque pareciam ter gripe.

O vodu, a feitiçaria negra, foi levada por escravos da África para o Caribe, onde se ramificou no Haiti, Cuba, Louisiana e Brasil, ganhando formas obscuras e diabólicas na cultura popular com os seus sacrifícios de galinhas, cabras e vacas.

Nas suas declarações à polícia, Sanders admitiu que estava realizando um ritual em Edson, que “falhou” e então ela também teve que matar Lason. A avó das crianças revelou em tribunal que, na visita que lhe fez dois dias antes dos corpos serem encontrados, “Latarsha começou a falar sobre sacrificar os humanos para se mudar o mundo”.

É o segundo caso de vodu na área de Brockton. Em 22 de janeiro a polícia resgatou uma menina de 5 anos e o irmão de 8 anos de um apartamento de East Bridgewater onde um par de mulheres praticavam vodu queimando o rosto da menina. A mãe das crianças, Rachelle Eddins, disse aos polícias que acredita em vodu, que os seus filhos se tinham comportado mal  “devido a espíritos malignos” e queria exorcizar o demónio. As crianças vivem agora com uma tia. Rachelle Eddins deu entrada num hospital psiquiátrico e duas outras mulheres que estiveram en­volvidas no caso, Peggy Lee LaBossiere, 51 anos, e Rachel Hilaire, 40, permanecem atrás das grades sem fiança.

Eddins, que era a cabeleireiro de LaBossiere, levou os filhos para a casa de LaBossiere por cinco dias, segundo o relatório. Durante esse tempo, LaBossiere ameaçou cortar a cabeça do menino com um machete, esfregou o seu corpo e órgãos genitais com uma substância e queimou o rosto da menina, que estava amarrada de pés e mãos a uma vara.

Agora temos o caso mais dramático de outra mãe que matou os filhos.

Sanders declarou-se inocente na audiência no Tribunal Distrital de Brockton e agora deverá ser indiciada no Tribunal Superior, possivelmente em 9 de abril. A mulher está detida sem fiança e é representada pelo advogado de defesa Joseph Krowski Jr.