“A minha visita a esta região é o reconhecimento do enorme contributo dos madeirenses aqui radicados à sua terra”

José Lino Tranquada Gomes, presidente da Assembleia Legislativa Regional da Madeira:

 

 

 

José Lino Tranquada Gomes, presidente da Assembleia Legislativa Regional da Madeira foi o convidado de honra da 103.ª Festa Madeirense do Santíssimo Sacramento em New Bedford e durante uma conferência de imprensa ocorrida no passado dia 28 de julho no Consulado de Portugal em New Bedford abordou questões essenciais da vida política e social da Madeira e dos madeirenses da diáspora, nomeadamente as relações entre todos os madeirenses e a terra de origem, a situação política na Venezuela, país onde reside numerosa comunidade madeirense e ainda o desenvolvimento do turismo e a possibilidade de uma ligação aérea direta entre a Costa Leste dos EUA e a Madeira.

Tranquada Gomes, que é também advogado, cargo que, por razões óbvias não exerce atualmente, começou por esclarecer o seu envolvimento na vida política madeirense.

“Sou deputado pelo Partido Social Democrata, advogado de profissão e encontro-me aqui pela primeira vez na qualidade de presidente da Assembleia Legislativa Regional da Madeira... A minha vida política começou com um convite por parte do então presidente do Governo Regional da Madeira, Alberto João Jardim, em 1988, para ser deputado e desde então até hoje tenho abraçado essa vida em paralelo com as minhas funções de advogado, se bem que ao ser nomeado presidente da Assembleia Regional da Madeira tivesse de suspender a advocacia porque não era compatível com as minhas atuais funções”, começou por dizer Tranquada Gomes, durante a conferência de imprensa com a presença dos órgãos de informação portugueses desta área (Portuguese Times, Portuguese Channel, WJFD e O Jornal).

José Lino Tranquada Gomes manifestou-se surpreen­dido pela forma como os madeirenses aqui radicados preservam e cultivam as suas tradições e pela grandeza desta festa madeirense, que é, ao fim de mais de um século de existência, cartaz turístico da cidade de New Bedford e grande instrumento de divulgação e maior visibilidade da terra de origem.

“Julgo que o relacionamento entre as nossas comu­nidades em geral e a região autónoma da Madeira tem sido uma preocupação das autoridades regionais e basta pensar que nestas festas do SS. Sacramento em New Bedford todos os anos vem uma figura da política regional e isso significa que estamos atentos às nossas comunidades e existe sem dúvida um excelente relacionamento entre as comunidades madeirenses aqui radicadas e as autoridades na terra de origem... Ao longo destes anos os madeirenses têm dado um enorme contributo para o desenvolvimento da Madeira e muitas das dificuldades por que atravessámos no passado foram resolvidas em grande medida com esse contributo dos madeirenses da diáspora e a minha visita aqui enquadra-se nesse propósito de dar uma palavra de reconhecimento às nossas comunidades”, salientou Tranquada Gomes.

A atual situação política na Venezuela foi abordada nesta conferência de imprensa, uma vez que uma numerosa comunidade madeirense reside neste país sul-americano, que atravessa uma grave crise política. Tranquada Gomes foi cauteloso na abordagem:

“Portugal tem tido uma posição neutral relativamente ao conflito na Venezuela uma vez que reside ali uma numerosa comunidade portuguesa e do ponto de vista político temos de ter alguma cautela na maneira como lidamos com o problema, mas claro que estamos a ter muita atenção relativamente à situação dos nossos compatriotas ali residentes, estamos a preparar neste momento estruturas de apoio a essas pessoas que estão a regressar à Madeira, tudo feito em sintonia com o governo central e as autoridades regionais. Até este momento não foi necessário acionar algum plano de emergência mas estamos a trabalhar no sentido de dotar a região dos meios financeiros para que essas pessoas que regressam à Madeira a curto prazo ou até mesmo num prazo mais alar­gado, tenham condições para viver condignamente. Estamos preocupados que isso vai envolver verbas significativas da segurança social, da criação de emprego, a Madeira não pode fazer face a todos esses problemas que o regresso desses imigrantes nos causam mas estou ciente em primeiro lugar de que a Venezuela terá também uma solução, como é óbvio”, referiu o presidente do parlamento madeirense.

Ainda sobre o papel dos madeirenses aqui radicados em prol do desenvolvimento a todos os níveis na Madeira, Tranquada Gomes reafirma:

“A Madeira sempre tem ganho com as suas comunidades nos quatro pontos do globo, o sucesso dos madeirenses no estrangeiro é também o nosso sucesso, uma vez nos tornamos maiores com essas comunidades... no mundo global é importante termos madeirenses, açorianos ou continentais por esse mundo fora e esse é o contributo maior que os madeirenses dão à Madeira, na certeza de que podemos ser globais com as nossas comunidades... Quando eu constato que esta festa do Santíssimo Sacra­mento em New Bedford tem mais de 100 anos de existência e que é instrumento de divulgação e maior visibilidade da nossa terra junto dos estrangeiros, dá-me um enorme orgulho nestas comunidades aqui radicadas”, sublinhou Tranquada Gomes, que ficou agradavelmente surpreendido com a grandeza da festa madeirense do Santíssimo Sacramento, não apenas pela aderência de grande público como também pela presença de entidades locais e estaduais à festa, nomeadamente o governador do estado de Massachusetts, Charlie Baker, como forma de reconhecimento do enorme contributo dos madeirenses ao desenvolvimento desta cidade, do estado e do país em geral.

Para Tranquada Gomes é importante reforçar os laços com a comunidade madeirense aqui radicada no sentido de desenvolver esforços para potenciar este importante mercado no âmbito do turismo americano para a Madeira. “A grande prioridade da Região Autónoma da Madeira deve ser gerar mais receita fiscal para fazer face às necessidades do arquipélago. Nós criámos o Centro Internacional de Negócios, que em certa medida, pelas nossas contas, atrairia receita adequada para as neces­sidades que temos. O nosso orçamento anda à volta de 1.500 milhões e quase metade desse montante é destinado à educação e saúde. O estado central não comparticipa as despesas da educação e da saúde”, referiu.

Sobre a possibilidade de uma ligação aérea direta entre a Costa Leste dos EUA e a Madeira, Tranquada Gomes referiu que o Governo Regional da Madeira tem vindo a trabalhar nesse sentido. “A questão é ver qual a companhia que possa estar disponível para fazer essa ligação direta e neste momento não existe ainda qualquer medida concreta mas há certamente um propósito de encontrar uma solução”, concluiu José Lino Tranquada Gomes, presi­dente da Assembleia Legislativa Regional da Madeira, convidado de honra à 103.ª festa madeirense do San­tíssimo Sacramento em New Bedford.

 

• Por: Francisco Resendes