Faleceu o guitarrista português Carlos Gonçalves


• Detentor de um rico palmarés tendo acompanhado Amália Rodrigues

“Faleceu Carlos Gonçalves”, dizia-nos do outro lado da linha o empresário António Frias, amigo pessoal do famoso guitarrista português.
“Esteve mais do que uma vez no Hudson Portuguese Club em Hudson. Ali mostrou toda a sua mestria. Ali acompanhou Ana Sofia Varela, também nos EUA, a meu convite. Foi mais uma noite divinal. Não podiamos levar toda aquela gente entusiasta do fado ao Bairro Alto ou à Madragoa. Mas trouxemos o tipicismo daqueles bairos aos EUA nas cordas da guitarra de Carlos Gonçalves e na voz melodiosa de Ana Varela Silva”.
Carlos Gonçalves nasceu em Beja, a 3 de junho de 1938, deixando a todos os amantes do fado e da música em geral, uma obra inigualável e de incalculável valor. 

O Museu do Fado, destaca que em 1968/69 torna-se guitarrista de Amália Rodrigues, integrando o grupo liderado então por Fontes Rocha. 

A sua técnica e sensibilidade musical evidenciam-se na composição de diversos arranjos e de músicas para a voz da fadista, com especial destaque para “Lágrima” e “Grito”. 

A paixão pela guitarra portuguesa começou ao ouvir os programas emitidos pela Emissora Nacional através dos mestres, José Nunes e Raul Nery, as suas referências fundamentais. 

A Enciclopédia da Música em Portugal no século XX aponta Carlos Gonçalves como “um dos mais destacados músicos de fado da sua geração”.
Carlos Gonçalves acompanhou Amália Rodrigues (1920-1999) durante cerca de 30 anos, para quem compôs várias melodias, maioritariamente para poemas de autoria da fadista, como “Lágrima”, “Grito”, Amor de Mel, Amor de Fel”, “Sou filha das Ervas”, “O Pinheiro meu Irmão”, “Ai Maria”, “Ai Minha Doce Loucura”, “Lavava no Rio Lavava”, entre outros.

A colaboração do músico com Amália iniciou-se em 1969, ainda com José Fontes Rocha (1926-2011), como primeira guitarra e como principal guitarra a partir de 1980, tendo-a acompanhado em todas as suas digressões.

Além de Amália, Carlos Gonçalves acompanhou, Alfredo Marceneiro, Maria Teresa de Noronha, Filipe Pinto, Lucília do Carmo, Argentina Santos, Fernando Maurício, Fernando Farinha, Fernanda Maria, Beatriz da Conceição, Ada de Castro, Anita Guerreiro, Julieta Estrela e Manuela Cavaco, entre outras. 
Em Lisboa atuou nas mais diversas casas de fado. 

Carlos Gonçalves, grande na guitarra, assinou o seu nome no livro de honra, do Hudson Portuguese Club, em Hudson, ao lado do Presidente da República de Portugal, Cavaco Silva, D. António de Sousa Braga, Bispo de Angra, Carlos César, presidente do Governo Regiona dos Açores, do saudoso e inesquecível Eusébio e ainda do secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro.

O Hudson Portuguese Club, imponente na sua presença de um dos mais relevantes pilares da língua, cultura e tradições portuguesas nos EUA, não se cansa de aumentar ao livro de honra, as mais ilustres figuras de todos os quadrantes que ali deixam a marca da sua passagem, como foi Carlos Gonçalves.