Mensagem do Presidente do Governo dos Açores, José Manuel Bolieiro no 50º aniversário do Portuguese Times

 

A geografia das nossas ilhas pesa-nos bastante. É o nosso fardo. É a nossa história, no dizer de Nemésio.
Por outro lado, a situação geográfica dos Açores sempre facilitou a emigração. Estamos numa encruzilhada, em pleno Atlântico Norte, entre as Américas e a velha Europa.
E a natureza, a história, a política e a economia das nossas ilhas sempre foram “madrastas” para com os seus filhos, ao longo dos séculos.
As deficientes condições de vida do Arquipélago levaram, ao longo dos anos, a fortes surtos de emigração, especialmente destinados aos Estados Unidos da América e ao Canadá, ao Brasil.
As muitas catástrofes naturais – especialmente os nossos “famosos” terramotos – motivaram o êxodo de famílias inteiras para os portos da Nova Inglaterra, para os vales da Califórnia, para as urbes do Québec, do Ontário e até da Columbia Britânica.
Hoje, a diáspora açoriana, pelo seu prestígio, acrescenta dimensão e importância aos Açores. Nas nossas ilhas somos menos de 250 mil almas e nas nossas comunidades seremos mais de um milhão.
Nos Estados Unidos da América, no Canadá, no Brasil, na Bermuda e até no Havai, desde o Atlântico até ao Pacífico, a açorianidade de naturais e descendentes orgulha-nos e projeta-nos, designadamente através de inúmeras entidades e instituições representativas, como é o caso do Portuguese Times, que agora celebra o 50º aniversário.
O XIII Governo Regional dos Açores está empenhado em valorizar o seu reconhecimento, bem como o potencial social, político e económico da nossa diáspora.
Importa reconhecer e valorizar o potencial estratégico da diáspora açoriana a partir de duas premissas decisivas: 
Por um lado – sem prejuízo das nossas importantes manifestações culturais de caráter tradicional, distintivas e enriquecedoras, que devem ser acarinhadas e preservadas – devemos valorizar, cada vez mais, a diáspora açoriana também numa perspetiva da sua influência política e económica, nos países de acolhimento, mas também por via da eventual captação de investimento e de fluxos turísticos para os Açores.
Por outro lado, conjugar os esforços necessários para a conveniente preservação da língua portuguesa e da identidade açoriana, com a sua total integração junto das gerações descendentes, também através da língua própria das sociedades de acolhimento para não perdermos os netos dos nossos emigrantes.
Os media, abrangendo a imprensa escrita, a rádio, a televisão, a internet e todo o aglomerado das mais diversas redes sociais, é de extrema importância na configuração do espaço público em que se movem os cidadãos açorianos, dentro ou fora da Região, e na comparticipação destes no envolvimento da vida democrática. 
A comunicação social moderna exige medidas criativas e capazes de potencializar as novas tecnologias de modo a fazer chegar os Açores de hoje ao elevado número de açorianos que vivem foram das nossas ilhas.
O Portuguese Times tem tido, e esperamos que continue a ter, um importante papel na manutenção da ligação cultural da diáspora açoriana nos Estados Unidos à sua terra mãe, permitindo manter vivos os laços culturais existentes e reforçando o conhecimento da genuína cultura açoriana nas comunidades.
Felicito o Portuguese Times e todos os seus colaboradores, de ontem e de hoje, pelos seus 50 anos de vida.
Ponta Delgada, 24 de fevereiro de 2021.

 

O Presidente do Governo dos Açores
José Manuel Bolieiro