Coronavírus provoca adiamentos de festivais e competições desportivas

 


A pandemia do novo coronavírus tem provocado cancelamentos e adiamentos de shows, festivais, peças e exposições ao redor do mundo, uma vez que a medida mais eficaz para conter a pandemia tem sido evitar aglomerações. 
Epicentro do surto, a China fechou as portas de 70.000 salas de cinema, forçando o adiamento da estreia de diversas superproduções no país. Os cinemas permanecem fechados também na Itália, assim como museus do país.  Em França, o museu mais visitado do mundo, o Louvre, fechou as portas por tempo indeterminado. 
Nos EUA todos os shows da Broadway estão suspensos até segunda ordem e o fechamento dos teatros representou até agora prejuízos de 100 milhões de dólares. Além dos musicais, o Carnegie Hall, uma das principais casa de show de New York, também suspendeu apresentações e o Metropolitan encerrou indefinidamente as atividades.
O Tribeca Film Festival, que deveria acontecer de 15 a 26 de abril em New York, foi cancelado, bem como o CinemaCon 2020 agendado para 30 de março a 2 de abril em Las Vegas. 
A Sony, Paramount, STX, Disney e Universal atrasaram a estreia dos seus filmes de verão. O novo filme de James Bond tinha estreia prevista para abril, mas foi adiada para novembro e, segundo o The Hollywood Reporter, o prejuízo da decisão será de 30 a 50 milhões de dólares.
Nos EUA, o Festival Coachella, o maior festival de música pop do país, aconteceria em abril, mas foi adiado para outubro. Ultra Music Festival, que acontece anualmente em Miami, foi cancelado, bem como South by Southwest, festival de música e cinema que aconteceria entre os dias 13 e 22 de março em Austin.
Artistas como Bob Dylan, Cher, The Who,  Mariah Carey, Madonna e Metallica também cancelaram as suas digressões.
Pela primeira vez na história, a maior e mais antiga parada do Dia de São Patrício na cidade de New York foi suspensa. Realizado desde 1762, o desfile atrai 2 milhões de espectadores e cerca de 150.000 participantes.
Em Chicago também foram suspensos três desfiles do Dia de São Patrício, bem como a prática anual de tingir o rio de verde. 
Em Boston também não houve parada do Dia de São Patrício e a Maratona de Boston foi mantida, mas não será disputada dia 20 de abril, conforme planeado e foi remarcada para 14 de setembro. A corrida, a que assistem centenas de milhares de pessoas e em que participam 30.000 corredores, tem impacto de 211 milhões de dólares na economia da cidade.
Em Boston, o Museu da Biblioteca JFK foi fechado “até novo aviso”, o Festival de Cinema da Irlanda programado para acontecer em março no Teatro Somerville foi adiado para novembro, e a Universidade Harvard e o Conservatório da Nova Inglaterra fecharam e anunciaram uma onda de cancelamentos e adiamentos. 
O Kentucky Derby não será realizado no primeiro sábado de maio pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial. A corrida de cavalos foi adiada para setembro e muitos outros importantes eventos desportivos foram também adiados ou  cancelados.
A NBA (National Basketball Association) suspendeu a temporada depois que um jogador do Utah Jazz (Rudy Gobert) testou positivo, e a NCAA, liga académica de basquete,  cancelou todos os seus torneios masculinos e femininos.
A época da NFL (National Football League) arranca em agosto, mas é de prever um cancelamento, tal como decidiram a NHL (National Hockey League), MLB (Major League Baseball) e a MLS (Major League Soccer) e a US Soccer Federation, que cancelou os jogos das seleções masculina e feminina.
A ATP (Association of Tennis Professionals) e a WTP (Women’s Tennis Association), os órgãos do ténis profissional masculino e feminino, respetivamente, suspenderam todos os torneios por seis semanas e o PGA Tour cancelou todos os torneios profissionais de golfe, até o Masters Tournament.
 Grandes empresas dos Estados Unidos estão suspendendo ou adiando conferências das suas indústrias previstas para os próximos meses. 
O Salão do Automóvel de Nova York, por exemplo, previsto para abril, foi adiado para agosto. 
O Facebook cancelou a sua conferência anual de marketing  prevista para março em San Francisco, na Califórnia. A Game Developers Conference, um dos maiores eventos da indústria de videogames, que aconteceria na semana que vem também em San Francisco, foi suspensa.  
Só nos Estados Unidos já naufragaram mais de 50 grandes eventos corporativos, que atrairiam cerca de 950 mil participantes, segundo levantamento feito pela agência Bloomberg e o impacto económico desses cancelamentos em viagens aéreas, estadias em hotéis e gastos locais com transportes e alimentação traduz-se em 327 biliões de dólares. 
Agora, as empresas estão substituindo os congressos, as feiras e os encontros presenciais em massa por transmissões virtuais e a prática poderá tornar-se habitual.