Rute Ortins Duarte, única guitarrista feminina nos Açores, atuou na Nova Inglaterra

 

Chama-se Rute Ortins Duarte e a música sempre fez parte da sua vida, desde a tenra idade da infância. É (ainda) a única guitarrista açoriana, mas o seu percurso musical começa com a aprendizagem do piano e do bandolim.
Esteve recentemente por estas paragens e lá fomos encontrar a Rute e o seu companheiro João Melo no restaurante O Dinis, em East Providence. 
“Comecei a aprender música aos 6 anos de idade, a tocar piano e bandolim, por influência da família dos meus pais e já em 1992 desenvolvi as minhas aptidões ingressando no Conservatório da Horta, Faial, na área de piano, durante sete anos e nada tinha a ver com a guitarra portuguesa e a minha estreia em palco acontece em 1986 por ocasião das festividades da Semana do Mar, na Horta, fazendo parte de uma tuna e de um grupo folclórico dos Flamengos, com apenas 7 anos de idade”, começa por dizer ao PT a guitarrista faialense.
O fado acontece ocasionalmente nos tempos de universidade.
“Chego ao fado quando fui para a universidade, naquele ambiente musical das tunas, integrando a Tuna Académica da Universidade dos Açores e aqui começa o “bichinho” pelo fado e quando acabei o curso o meu pai ofereceu-me uma guitarra e, com a ajuda de colegas de um grupo folclórico, fui aprendendo a tocar guitarra tendo sido nessa altura que fundámos um grupo de fado, isto por volta de 2006... Fui aprendendo com outras guitarristas e assim foi”, recorda ao Portuguese Times Rute Ortins Duarte, confidenciando que no início mostrou-se algo renitente a enveredar pela guitarra portuguesa, mas com a insistência do pai e de colegas abraçou o fado.
Mais tarde, influenciada por um dos maiores impulsionadores do fado na ilha do Faial, o seu tio Américo Leite (falecido aos 69 anos de idade em 2021), que entretanto fixou residência nesta ilha açoriana em 2010, Rute dedica-se mais afincadamente ao fado.
“Em 2015, um dos famosos guitarristas no Faial, José Alvernaz, por motivos de saúde, abandona e eu, com o apoio de colegas, dedico-me mais intensamente ao fado através da guitarra portuguesa e passo assim a ser a única guitarrista na ilha, acompanhando o tio Américo Leite, tanto na canção de Coimbra como no fado de Lisboa”, recorda Rute, adiantando que para ela a música é um hobby, conseguindo compatibilizar a sua atividade profissional com este passatempo da música mercê da ajuda da família, após a sua licenciatura em 2005.
“Sou atualmente a única mulher guitarrista nos Açores embora já haja outras jovens açorianas a aprender a tocar guitarra”, sublinha Rute, que recorda uma digressão ao Canadá, mas a tocar bandolim, por ocasião de um encontro dos antigos alunos do Liceu da Horta.
A oportunidade de atuar aqui pela Nova Inglaterra surgiu através do conhecido empresário e artista Dinis Paiva, que apoiou esta digressão de Rute Ortins Duarte, acompanhada pelo marido João Melo. A guitarrista faialense atuou em vários restaurantes de Rhode Island e Massachusetts, acompanhada por Viriato Ferreira (viola de fado) com a participação de conhecidos intérpretes de fado desta região, nomeadamente Ana Vinagre, Daniel Guerra, Josefina Couto, José Vinagre, José Ribeiro, entre outros.
“Acompanhar fado na América com Viriato Ferreira  foi uma experiência incrível. Casas cheias e um carinho enorme da nossa comunidade. Só foi possível devido ao enorme anfitrião Dinis Paiva, que durante 50 anos tem sido um exemplo na promoção da portugalidade e da açorianidade por este mundo... Tocar no restaurante O Dinis foi um privilégio... Obrigado a todos que tornaram este sonho possível. Que o reencontro seja para breve”, sublinhou na sua página de Facebook Rute Ortins Duarte.
Agradou em pleno e apostamos no seu regresso!

 

- Francisco Resendes