Legisladores lusodescendentes de Massachusetts escrevem a Obama por causa da Base das Lajes

Legisladores de origem portuguesa da Assembleia Legislativa de Massa­chu­setts decidiram escrever ao Presidente Barack Obama dando conta das suas preo­cupações pela redução dos efetivos no destacamento americano na Base das La­jes e “os impactos negati­vos que terá na ilha Tercei­ra, incluindo problemas financeiros para o seu povo e para os Açores como um todo” e nas “relações históricas compartilhadas entre Portugal e os Estados Unidos, que é o lar de um número significativo de imigrantes portugueses e seus descendentes que vivem, trabalham e votam na América”.

Referindo declarações do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, de que a Terceira irá “sofrer mais do que qualquer outra jurisdição na Europa” com a redução dos efetivos na base e que o consequente despedimento dos empre­gados açorianos aumentará o desemprego na ilha em 55 por cento, os legisla­dores consideram que “deve haver uma maneira melhor de lidar com esta questão”.

“As mudanças que já ocorreram nas Lajes estão começando a prejudicar a economia da ilha. Para os açorianos, a geografia é um obstáculo para superar quando procuram emprego alternativo. Soluções viá­veis devem ser implemen­tadas ao longo do tempo, se a base vier a ser progres­siva­mente reduzida. Na verdade, dada a localização geográfica dos Açores, os Estados Unidos devem abordar esta questão de uma forma muito mais estratégica. Devemos compartilhar uma agenda conjunta com a União Europeia e os nossos aliados da NATO sobre uma série de questões de segurança internacionais, incluindo a segurança cibernética, a interceptação de drogas e as alterações climáticas. As ilhas dos Açores estão localizados no meio do Oceano Atlân­tico, colocando-os em uma posição vantajosa para monitorar o que está acon­tecendo com os nossos oceanos e as alterações climáticas. Além do mais, dado o estado do comércio marítimo no Oceano Atlân­tico, e do aumento das trocas comerciais através do Canal do Panamá, os Estados Unidos deveriam aproveitar a oportunidade de aumentar o comércio transatlântico através de um centro de comércio marítimo nos Açores.

Há muitas possibilidades para ajudar os Açores com esta transição. Como ame­ri­canos, nós acreditamos em ajudar a restaurar as nações, não destruí-las. Como americanos de ascendência portuguesa, temos a responsabilidade de fazer a coisa certa para um povo e um governo que tem sido nosso amigo e aliado há décadas”.

A carta é assinada pelos senadores Marc R. Pache­co, de Taunton e Viriato M. De Macedo, de Sandwich, e pelos deputados António F.D. Cabral, de New Bed­ford, John V. Fernan­des, de Milford, Alan Silvia, de Fall River e David T. Vieira, de Falmouth.