Dois barcos de Carlos Rafael afundam-se no porto de New Bedford e o naufrágio é suspeito

 

As autoridades estão investigando o que se passou dia 6 de fevereiro à noite no porto de New Bed­ford. Às 1:24 da madru­gada, a unidade de segu­rança portuária da Polícia de New Bedford e o De­partamento de Bombeiros responderam a um pedido de socorro da Guarda Costeira informando que o barco de pesca Nemesis, de 65 pés, estava a meter água no cais Homer’s Wharf.

A Guarda Costeira foi alertada pelo alarme rádio de emergência da posição dos barcos e, por sua vez, alertou a polícia e os bom­beiros. À chegada, os polí­cias não conseguiram lo­calizar a embarcação, que estava quase totalmente submersa e um segundo barco de pesca, o Dinah Jane, de 68 pés, também se tinha afundado. Os dois barcos estavam amarrados um ao outro e o seu afunda­mento fez adornar uma terceira embarcação.

Ninguém estava a bordo e a causa do naufrágio está a ser investigada. Segundo um pescador não identi­ficado, o Nemesis estava em reparação há cerca de um ano, mas o Dinah Jane estava operacional.

Trata-se de dois scallo­pers e ambos são proprie­dade do empresário Carlos Rafael, conhecido como The Codfather, e que foi condenado em setembro a 46 meses de prisão por um esquema de tráfico de peixe e dinheiro.

De acordo com a Guarda Costeira, o Dinah Jane, de 65 pés e o Nemesis, de 67 pés, têm uma capacidade conjunta para 9.500 galões de combustível. Os bom­beiros de New Bedford colocaram 400 metros de “boom” para contenção do óleo em torno dos barcos afundados para minimizar o impacto ambiental e uma  empresa de limpeza priva­da procedeu à remoção do combustível derramado.

A Tucker Roy Marine Towing and Salvage, de Matapoisett, começou por bombear a água para que os barcos pudessem flutuar, um processo que se prolon­gou por vários dias e sexta-feira conseguiu estabelizar o Nemesis. Quando fecha­mos esta edição, o Dinah Jane permanece submerso, mas será retirado da água em breve.

“Quando dois barcos per­tencentes à mesma pessoa afundam na mesma doca no mesmo dia, penso que é justo dizer que não é apenas uma coincidência”, disse o mayor Jon Mitchell. “A polícia está investi­gan­do isso como uma questão criminal, como devia”.

Normalmente, quando os barcos se afundam no por­to, a companhia de seguros do proprietário paga a recuperação dos barcos.

O Departamento de Polícia de New Bedford informou segunda-feira que a Guarda Costeira está investigando o afunda­mento.