Os 131 anos da igreja de Nossa Senhora do Rosáro em Providence celebrando os 100 anos das aparições em Fátima

A mais antiga igreja portuguesa nos EUA

 

 

 

 

A igreja de Nossa Se­nhora do Rosário em Pro­vidence, a mais antiga portuguesa nos EUA, com 131 anos, celebrou com solenes eucaristia e pro­cissões os 100 anos das aparições da Virgem Maria aos três pastorinhos.

São duas efemérides que não só atestam a relevância da comunidade portuguesa de Rhode Island, como o seu contributo para a história do mesmo.

Mas como são fatores únicos, não são indiferentes a pesquisadores que aqui encontram fonte única de dados inerentes a qualquer trabalho.

Ao entardecer de sexta-feira os terrenos anexos à igreja de Nossa Senhora do Rosário registavam a maior afluência de todos os tempos. A missa teve lugar pelas 7:00 da noite.

Seguiu-se a procissão de velas que foi uma demons­tração da religiosidade das centenas de pessoas que se incorporaram no ato.

Além de se celebrarem os 100 anos das aparições.

A igreja de Nossa Se­nhora do Rosário é o centro do poder associativo e empresarial luso em Pro­vidence. A poucos minutos da igreja fica a “instituição Manuel Pedroso”. Podem considerar exagero. Mas não é. Manuel Pedroso é uma enciclopédia de infor­mação. Quem ali entra pode não comprar chouriço mas fica a saber o que deve visitar se for a Portugal. Um pouco mais distante, mas dentro do bairro do Fox Point, fica a Cardoso Travel, de João de Sousa. Aqui aposta-se na pro­moção dos Açores e do seu Nordeste. O concelho mais florido de Portugal.

Mesmo em frente está o Eagle Market, centenário na sua origem. Ao fundo da rua fica o Portuguese Sporting Club. Um pouco mais à frente um Dunkin Donuts de Joe Dutra. Subindo um pouco mais surge a sede da banda de Nossa Senhora do Rosário. Como se depreende o popular bairro do Fox Point ainda respira português.

Foi esta típica presença que viu desfilar na tarde do passado domingo a pro­cissão em honra de Nossa Senhora de Fátima e do Senhor Santo Cristo dos Milagres.

As ruas apresentavam uma bonita moldura huma­na, significativo de que aquelas duas divindades religiosas têm quem as acompanhe, pelas ruas de um dos bairros mais típicos das comunidades lusas dos EUA.

Mas um bairro que graças às obras naquela área têm-lhe dado uma fisonomia de excelência.

Não deixa de ter o seu quê de curioso que Manuel Pedroso, nas suas 97 bonitas primaveras, continue a assistir à passagem da procissão e agora já rodeado de netos, todos reunidos em frente ao popular Friends Market.

Entre o clero, padre Fernando Cabral, Dennis Kieton, Manuel Pereira, surgia o padre Joe Escobar transportando o Santíssimo que ia lançando as suas bênçãos pelo caminho.

Nota-se uma aproximação entre os párocos das igrejas portuguesas de Rhode Island, em sinal de união de uma comunidade que se movimenta em torno das suas igrejas.

Existe um orgulho imenso quando Ramiro Mendes diz: “A minha igreja é a mais antiga dos EUA. A ela tenho dedicado uma vida e se Deus me der vida e saúde continuarei a dedicar-me a esta magnífica presença religiosa nos EUA”.

Estamos a falar de Ramiro Mendes, o mesmo que tem desempenhado um papel relevante como secretário das Grandes Festas do Espírito Santo em Fall River.

Como se depreende, os bons não têm mãos a medir, que embora amadores desenvolvem um trabalho profissional.

Quem assitiu à passagem de procissão pode constatar a beleza daquele desfile religioso.

Curiosamente via-se as mães acompanharem os filhos, também em trajes condizentes com as divindades representadas.

Só através de gerações consecutivas se mantém o nosso poder étnico. Mas não percam tempo a vaticinar o fim das organizações, das igrejas, do poder associativo. Perguntem a vós próprios. O que poderá ser o meu contributo para que a chama da portugalidade se mantenha altiva e brilhante.

Se perderem dois minutos e assistirem a uma procissão como a de Nossa Senhora do Rosário, são capazes de mudar de opinião.

Temos comunidade, para muitos e longos anos. Tudo se acaba para os que morrem. Os outros continuam a dar o seu contributo a igrejas como a de Nossa Senhora do Rosário.

 

 

• Fotos e texto: Augusto Pessoa