EUA abandonam os combustíveis fósseis Massachusetts adere às mudanças climáticas

 


O Congresso aprovou a semana passada a maior lei climática da história dos EUA, com uma série de medidas que ajudarão pessoas e empresas a abandonar a energia suja que contribui para o aquecimento global.
As disposições do projeto de lei já assinado pelo presidente Joe Biden são principalmente uma série de subsídios para energia que não emite carbono, como energia solar, eólica e nuclear. Sem esses subsídios, os combustíveis fósseis poluentes muitas vezes ainda são mais baratos. Os subsídios tentam dar uma vantagem às energias mais limpas.
Para os consumidores, os subsídios reduzirão os preços de veículos elétricos, painéis solares, bombas de calor e outras melhorias domésticas energeticamente eficientes. Qualquer cidadão pode reivindicar os subsídios por meio de declarações fiscais e em alguns casos no ato de compra.
Digamos que o leitor quer comprar um dos novos carros elétricos mais baratos do mercado no momento, mas cujo preço mesmo assim ronda $40.000. Para qualificar para o subsídio, a lei exige, entre outras coisas, que os veículos sejam montados na América do Norte e que o contribuinte não ganhe mais do que $150.000 por ano, por exemplo. 
Se o comprador atender aos requisitos, poderá reivindicar até $7.500 em créditos fiscais e pagará $32.500 por um veículo que custa $40.000.
O objetivo do crédito fiscal para carros elétricos é reduzir o preço e para carros usados haverá um crédito fiscal até $4.000. Com os créditos, os carros elétricos terão um preço muito mais próximo, se não mais barato, do que veículos não elétricos semelhantes.
Para melhorias em casa, o processo será diferente, mas a ideia básica é semelhante. Para uma instalação solar típica de telhado de $20.000, os créditos fiscais reduzirão o preço até $6.000. Há também subsídios para bombas de calor, fogões elétricos e outros projetos de eficiência energética. A esperança é tornar todas essas mudanças muito mais acessíveis para os americanos comuns, levando a uma menor dependência de combustíveis fósseis e expandindo o mercado de energia mais limpa. 
Entretanto, alguns estados já reagiram. Charlie Baber, governador de Massachusetts, assinou dia 11 de agosto um grande projeto de lei sobre mudanças climáticas que visa aproximar o estado da meta de emissões líquidas de gases de efeito estufa zero até 2050.
O projeto de lei incentiva o desenvolvimento de energia solar e eólica offshore e dá autoridade local para limitar o uso de combustíveis fósseis em projetos de construção.
Também aumenta para $3.500 o desconto para compra de certos veículos de passageiros com emissão zero e exige que todas as vendas de veículos novos tenham emissão zero a partir de 2035 e toda a frota de trânsito da Massachusetts Bay Transportation Authority também deve fazer a transição para emissão zero até 2040.
O projeto também permite que terras agrícolas sejam usadas para painéis solares, desde que não impeçam o uso agrícola ou hortícola.