Sindroma do Cólon Irritável

 

Não é segredo que as emoções estão frequentemente ligadas ao funcionamento do sistema digestivo. Em resposta ao stress e ansiedade o organismo reage de modos muitas vezes antagónicos, desde a perda de apetite e peso, ao excessos alimentares e obesidade, desde os vómitos à diarreia, passando pelas cólicas e úlceras do estômago. Todos estes fenómenos são bem conhecidos de todos. 
Agora imagine o/a leitor/a que o seu tubo ou sistema digestivo ainda é mais sensível a certos alimentos e ao stress. É isso que constitui o Sindroma do Cólon Irritável, em Inglês “Irritable Bowel Sindrome (IBS)”. Nesta doença, o intestino grosso (cólon) tanto pode functionar a mais ou a menos em resposta ao mesmo estímulo, causando uma constelação de sintomas como cólicas insuportáveis, sensação de enfartamento, gás, obstipação ou diarreia. Os sintomas podem ser tão severos que o doente não pode trabalhar ou funcionar como habitualmente.  
O diagnóstico é principalmente feito por exclusão de outras doenças e pelo padrão típico de sintomas. O médico terá que excluir problemas como refluxo, doenças inflamatórias (como Doença de Crohn), diverticulose/diverticulite, sensibilidade a certos alimentos, e cancro. No caso do Cólon Irritável, o doente tem sintomas pelo menos uma vez por semana, acompanhados de mudanças do padrão de motilidade intestinal ou do aspecto das fezes. 
Esta doença não tem cura, mas pode ser controlada com medidas práticas. Uma primeira intervenção deverá ser o consultar um nutricionista. Este pode aconselhar uma de várias dietas que ajudam a evitar a fermentação interna de açúcares e consequente aparecimento de gás, distenção, e cólicas. O seu médico ou enfermeiro de família pode receitar medicamentos anti-espasmódicos que ajudem a reduzir as cólicas, já que todo o tubo digestivo é apenas um grande músculo. 
Finalmente, lembre-se que as crises de cólon irritável são quase sempre em resposta ao stress. Tudo que poder fazer para evitar a ansiedade (o que não é sempre possível), ou controlar o nervosismo ajudam imenso na redução de sintomas. 
Consulte um médico psiquiatra ou um psicoterapêuta credenciado e experiente, e explore todas as opções de tratamento que possam ajudá-lo/a a reduzir o impacto do stress no seu organismo. 
Lembre-se que a ansiedade não tratada é a mãe de problemas muito sérios de saúde geral, desde as doenças cardio-vasculares, à exacerbação da asma, aos problemas de pele e distúrbios digestivos. 
Haja saúde!