Verdades verdadeiras

 

 

Como todos sabemos, por vezes as profissões seguem de geração em geração, o que é comum na medicina. Não foi o meu caso. Um dos meus avós era proprietário agrícola, o outro funcionário público com grande talento musical, o meu pai piloto-aviador, a minha mãe professora. Não fui também o primeiro médico da minha família. Essa qualidade coube à minha prima Teresa, médica reumatologista no Porto, e fui seguido pelo meu irmão mais novo, cirurgião em Ponta Delgada, e outros sobrinhos e primos também nesta atividade, e até as minhas filhas. Já há tradição, afinal. 
Mas é a respeito da prima Teresa que queria dar alguns conselhos ao leitor. Vi um dia umas imagens do seu consultório, e achei engraçadíssimo e bem verdadeiro um “placard” na parede dizendo “Tenho o curso de Medicina, não de Google (internet)”.  Outros dizeres também vistos em consultórios diversos incluem “Se quer ficar confuso, vá à internet. Se quer saber da sua saúde fale comigo”… Pois é bem verdade, que apesar da informação ser um bem precioso, pode dar também origem a muita confusão, e consequente ansiedade. Caso típico, os medos que muitos têm de serem vacinados contra o Covid-19, a gripe, ou as simples vacinas infantis que têm salvo milhões de vidas. Não culpo de maneira nenhuma o leitor, cuja motivação é ser informado e proteger-se a si e aos seus, mas sim quem publica artigos alarmistas e sem qualquer crédito, ao abrigo de uma liberdade de expressão constitucional,  e que deviam ser punidos pela medida das suas consequências. Dito isto, tambem é verdade que existem fontes de informação para o leigo na internet que têm valor, como o WebMD, Wikipedia, e outros sites.
Desde já aconselho o leitor a tentar seguir preferencialmente as informações distribuídas pelo seu médico ou hospital, e seguidamente fazer as perguntas que achar necessárias para clarificação do seu caso. Mais ainda, acautele-se com os vendedores da “banha da cobra” ou sejam tratamentos e curas falsas e desenhadas para aliviar a sua carteira. O leitor pode pensar “nessa não caio eu, não sou tolo”, mas não é tão simples. Basta ver que na TV e revistas americanas continuam a publicitar-se “suplementos nutritivos” para a memória, perda de peso, circulação, etc., sem qualquer valor, mas legais porque habilmente não fazem na realidade qualquer promessa, a menos de lhe tirar o seu dinheiro. Lembro-me do caso que li de um professor universitário da Califórnia, que calculou ter perdido cerca de 900 mil dólares durante 5 anos em golpes/aldrabices com investimentos feitos por gente capaz até de convencer um professor catedrático! Quando alguém lhe perguntou como isso foi possível, ele respondeu que toda a vida lidou com gente honesta e verdadeira, e como tal não esperava ser tão vulnerável a vigaristas. Lembre-se que o seu médico passou uma vida a estudar a sua saúde, muitas vezes para descobrir que há mais perguntas que respostas, mas a motivação e o seu Juramento de Hipócrates o obrigam sempre a fazer o bem, o melhor que sabe e pode, e passar esta informação aos seguintes. Pode, e deve, o leitor ter confiança no seu técnico de saúde, e utlilizar essa aliança para ter a informação de que necessita para melhorar e manter a sua saúde. 
E haja sempre saúde!