Após a Páscoa vamos nascer de novo!

 

 

Na Páscoa, em devoção,

Numa prece, bem sentida,

Pedimos a Deus perdão,

Pelo bem da nossa vida!

 

Para que Deus nos ajude

Contra este vírus malvado,

Que nos ataca a saúde

E mata, por todo o lado!

 

P’ra que nos mude a ideia

Da ganância, que é medonha,

Explorando a mão alheia,

Qu’ é no mundo uma vergonha!

 

E que Deus também convença

Esta gente atrevida,

Que só na maldade pensa,

Dar cabo de muita vida!

 

Que Deus chame à atenção

Do político atrevido,

Que o Povo é a Nação,

E não é o seu Partido!

 

E que este Terceiro Mundo,

E nem só, o que se passa,

Num viver tão nauseabundo,

Que algo a eles se faça!

 

Este povo, amigo meu,

Que penando tanto vem,

Não tem culpa onde nasceu.

Podia ser nós também!

 

Porque não, em gestos nobres,

Não há ninguém que os acuda

Se fossemos nós os pobres,

Era quem queria ajuda!

 

Por isso eu peço p’ ró povo,

Todos...todos, mas todos,

Vamos nós Nascer de Novo,

Mudar os nossos maus modos!

 

Não andar p’ raí a esmo,

Dar Amor e muito Amor,

Ao próximo como a nós mesmo.

Assim nos manda o SENHOR!

 

Não formar nenhum impasse

E quando alguém nos bater,

Entregar a outra face,

Sem ter que lhe responder!

 

Não é fácil meus amigos

A passagem é muito estreita.

Mas evita muitos perigos,

Que, depois Deus não aceita!

 

Vamos todos ouvir Cristo,

Todas suas ordens dadas.

E, seguirmos pelo visto.

De Cristo as Suas Pegadas!

 

E de novo vos falar,

Na Lei de Cristo, Senhor,

O Seu Mandamento usar,

Amor...Amor, muito Amor!

 

Ë isto o que é preciso,

Porque de novo viver,

Já é estar no Paraíso,

Em Paz, de Novo Nascer!

 

Ouçam bem, amigos meus,

Quem de novo for nascendo,

Está cumprindo a Lei de Deus

Junto a Cristo está vivendo!

 

E quem tem Cristo juntinho,

Cumprindo com o preciso,

Já vai seguindo o caminho

Direção ao Paraíso!

 

P. S.

Nascer de Novo!

 

Vou lembrar ao nosso povo,

E, é sempre bom que se diga,

Que isto de Nascer de Novo,

Não é voltar à barriga!

 

É esquecer a maldade,

Dar muito Amor, pelo visto,

Andar sempre na verdade,

Como manda Jesus Cristo!

 

E lembrar, todos momentos,

Sem mostrar qualquer revés,

Todos os Dez Mandamentos,

Ou, a Tábua de Moisés!

 

Para além de cada instante

Ser sempre um bom humano,

Acudindo o semelhante,

Como o Bom Samaritano!

 

Não esquecer, nos revezes,

O mal que alguém comete,

Não perdoes sete vezes,

Mas, Setenta Vezes Sete!

 

Do modo que estou falando,

Exigindo tanto, tanto,

Sem morrer, por cá andando,

A pessoa já é santo!

 

Não vão pensar, certamente,

Que eu estou a afirmar,

Ser esta gente, somente

Para Deus, se vai salvar!

 

Na cruz, Cristo, deu perdão,

Prometendo o paraíso,

Ao arrependido ladrão,

Como a dar-nos um aviso.

 

P’ra que fosse percebido,

Que após alguém pecar

E, estivesse arrependido,

Bem podia se salvar!

 

Não de maneira fingida,

Levando a vida profana.

Deus conhece a nossa vida

E a Deus, ninguém engana!

 

Há um dito, amigos meu:

-Quem se emenda chega ao Céu!